Em curso no Projeto

AÇÃO A2 - Censo prévio da presença de lobo nas áreas portuguesas do Projeto

O objetivo desta ação, iniciada em Dezembro de 2012, é a recolha de dados sobre a presença de lobo na área do Projeto e a criação de uma base de dados genética dos lobos da região (análise genética para determinação de genótipos). As atividades de monitorização foram realizadas pelo Grupo Lobo e terminaram em Dezembro de 2013. As análises genéticas são da responsabilidade do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV).

No decorrer desta ação foram realizadas 70 entrevistas a pastores e criadores de gado, bem como a guardas florestais, caçadores e outros. Foram acompanhadas vistorias a 52 prejuízos de animais domésticos atribuídos a lobos, foram definidos 130 percursos em toda a área de estudo; num total de 311 km percorridos, 4 destes percursos com a ajuda de um cão treinado especificamente para procurar sinais da presença de lobo (cão de deteção; ver também acção A7).

Foram ainda usadas câmaras para armadilhagem fotográfica, a fim de recolher mais informações sobre a presença da espécie na área de estudo. Nos percursos foram recolhidos dejetos (n=88) e nas vistorias aos prejuízos foram ainda recolhidas amostras de saliva (n=198) e de pelo (n=4). Todos os tipos de amostras foram enviadas para o laboratório para serem analisadas geneticamente.

No período compreendido entre Agosto e Setembro 2013 foram realizadas sessões de uivos induzidos e de esperas, métodos que permitem obter informações sobre a presença de lobo e confirmar a existência de reprodução.

Em Março de 2014 os técnicos realizaram 9 percursos com o cão de deteção, acompanharam 3 vistorias a ataques atribuídos ao lobo, realizaram 311 noites de armadilhagem fotográfica e 13 percursos para a recolha de dejectos, e ainda 10 entrevistas. Foram recolhidas 44 amostras (10 dejetos, 32 zaragatoas com amostras de saliva e 2 amostras de pelo). No mesmo período, o INIAV prosseguiu com a análise genética de 39 amostras de saliva e 50 dejetos.

Em Abril de 2014 foram realizados 11 percursos com o cão de deteção, 262 noites de armadilhagem, 18 percursos para a recolha de dejetos e 4 entrevistas. Foram recolhidas 51 amostras (18 dejetos, 32 zaragatoas e uma amostra de pelo); enquanto o INIAV analisou 17 amostras de saliva e 30 dejetos).

AÇÃO A3 - Análise prévia dos prejuízos atribuídos ao lobo nas áreas portuguesas do Projeto

A ação A3, que tem como objetivo adquirir informações sobre o conflito entre a presença do lobo e as atividades pecuárias, foi desenvolvida pela Escola Superior Agrária de Castelo Branco (ESACB), com o contributo dos técnicos do Grupo Lobo.

Numa primeira fase foram recolhidas informações sobre os prejuízos atribuídos ao lobo, registados pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). Posteriormente, 50 explorações pecuárias, com registo de prejuízos, foram caracterizadas durante entrevistas aos proprietários. Nas entrevistas foi usado um questionário que pretendeu recolher informação diversa por forma a compreender melhor os diferentes sistemas de maneio e de proteção dos animais domésticos, usados nas áreas do Projeto. Os resultados vão permitir identificar quais os problemas existentes e quais as soluções mais adequadas à redução dos prejuízos (ex.: cães de gado, vedações), que serão implementadas no decorrer das ações C1 e C3. A análise dos dados já foi concluída e o respetivo relatório estará disponível na página de Internet do Projeto.

AÇÃO A4 - Análise prévia dos prejuízos atribuídos ao lobo na Província de Grosseto

Realizada entre janeiro de 2013 e janeiro de 2014, a ação teve o objetivo fundamental para caracterizar a extensão e a natureza do conflito entre a presença do lobo e a atividade pecuária e para planear a atribuição de medidas de prevenção de prejuízos, conforme o estabelecido nas Ações C2 e C4.

As principais atividades realizadas foram:
- a análise dos prejuízos causados por canídeos na Província de Grosseto, no período de 2007-2012, com base nos dados disponibilizados pelo Co.di.Pra Toscana (Associação para a defesa da produção agrícola) e, para o ano de 2012, considerando também os avisos que a ASL (Autoridade de Saúde Local) transmite à Província;

- uma investigação realizada através de entrevistas aos agricultores locais, para compreender os sistemas de maneio do gado, com especial atenção ao uso de métodos de prevenção de prejuízos. Para tal, foi elaborado um questionário, depois aplicado a 150 criadores de gado locais.

Esta ação foi realizada pelo Istituto di Ecologia Applicata, a Província de Grosseto, C.I.A, Coldiretti e Confagricoltura.

AÇÃO A5 - Avaliação das áreas potenciais de expansão do lobo em Portugal

O objetivo da Ação A5, desenvolvida pelo Grupo Lobo, foi produzir um modelo de adequabilidade de habitat para o lobo na área de estudo portuguesa. Numa primeira fase procedeu-se à recolha de dados sobre a presença do lobo, a informação cartográfica sobre as variáveis ambientais importantes, como seja o uso do solo, o coberto vegetal, a altimetria, a rede viária, e a densidade humana e de animais domésticos. Prosseguiu-se com a produção do modelo em sistemas de informação geográfica, resultando na definição de mapas de potencialidade de habitat, que serão integrados com a informação recolhida nas restantes ações.

Este modelo representa um instrumento importante para identificar as áreas potenciais de futura expansão do lobo, considerando diferentes parâmetros ambientais, bem como as áreas de conflito potencial com as atividades económicas locais.

O relatório final, com a descrição da utilidade dos resultados obtidos para a gestão da espécie, estará disponível na página de Internet do Projeto.

AÇÃO A6 - Avaliação das áreas potenciais de expansão do lobo entre os Apeninos e a planície costeira na Província de Grosseto

O objetivo da Ação A6, coordenada e realizada pelo IEA, é produzir um modelo de adequabilidade ambiental para o lobo na área de estudo da Província de Grosseto.

Numa primeira fase foram recolhidas informações sobre a presença do lobo, dados cartográficos sobre as principais variáveis ambientais – o uso do solo, o coberto vegetal, a altimetria e a localização de explorações pecuárias e de áreas residenciais. Continuou-se depois com a fase de exame real, com a produção de um modelo preliminar, que será complementado com todas as outras informações adquiridas durante o Projeto.

Este modelo constitui um importante instrumento para identificar as áreas de futura expansão da espécie no território e, portanto, as áreas de conflito potencial com as atividades económicas locais.

O relatório de atividades, com a apresentação do modelo e explicações para a sua utilização prática e potencialidade de gestão, está atualmente a ser elaborado e será publicado na página de Internet do Projeto.

A ação foi concluída e foi criado um novo mapa de adequabilidade para o lobo, usando os dados mais recentes sobre a presença desta espécie na área de estudo.

AÇÃO A7 - Formação para a deteção de indícios de lobo e de atividades furtivas em Portugal

Esta ação, desenvolvida pelo Grupo Lobo, teve como objetivo a formação dos técnicos locais diretamente envolvidos no estudo e conservação do lobo (agentes do SEPNA-GNR e Vigilantes da Natureza e Técnicos das Áreas Protegidas – ICNF), e focou aspetos relacionados com o estudo e a monitorização da espécie e ainda a deteção de atividades ilegais, como o uso de veneno ou de armadilhas.

Para tal, foram realizadas duas sessões de formação. A primeira, que teve lugar no Sabugal, no dia 12 de Junho, contou com a presença de 18 técnicos e Vigilantes das Áreas Protegidas e 9 agentes do SEPNA e do GIC, da GNR, além de mais 11 participantes (biólogos, engenheiros, criadores de cães e de gado), e focou aspetos relacionados com a monitorização do lobo (incluindo diferentes metodologias de estudo, como cães de deteção e análise genética). A aplicação dos conhecimentos adquiridos foi possível durante uma saída de campo que decorreu no Parque Natural de Montesinho, de 13 a 14 de Novembro, com 16 técnicos e Vigilantes da Natureza do ICNF e 3 agentes do SEPNA-GNR. Incluiu a demonstração de um cão, o Zeus, treinado para encontrar dejetos de lobo. A ajuda deste cão é particularmente útil na deteção de indícios de presença de espécies com baixa densidade, como é o caso do lobo na área do Projeto, permitindo aumentar a quantidade de dados recolhidos, sem aumentar o esforço de amostragem. O treino do Zeus foi realizado por um perito americano da Conservation Canines (Universidade de Washington, EUA).

A segunda sessão, dedicada às atividades ilegais, teve lugar no dia 30 de Abril, também no Sabugal, e contou com o contributo do Projeto LIFE - Inovação contra o uso de venenos (projeto desenvolvido em Portugal pela Quercus), que pretende implementar boas práticas para reduzir o uso ilegal de venenos, para além do treino de cães de deteção de veneno. Esta sessão, que contou com a participação de 33 agentes do SEPNA-GNR e Vigilantes da Natureza, incluiu ainda a demonstração de uma equipa espanhola de cães de deteção de venenos (Perros Contra el Veneno).

AÇÃO A8 - Formação para a detecção de indícios de lobo e de actividades furtivas em Itália

A ação, coordenada pela Província de Grosseto, teve como objetivo a formação do pessoal do Corpo Florestal do Estado da Polícia Provincial e Municipal, sobre as técnicas de monitorização da presença de lobo e sobre o uso de unidades de cães anti-veneno para controlo das atividades furtivas. Para tal, foram realizadas dois cursos de formação distintos. O primeiro curso, sobre técnicas de monitorização do lobo, incluiu uma sessão teórica e uma parte prática no Parque Regional de Maremma, durante o qual foi realizada uma demonstração sobre a aplicação das várias técnicas. O segundo curso foi da responsabilidade da equipa do Projeto LIFE ANTIDOTO: o curso foi dividido numa parte teórica e numa parte prática, durante a qual foi feita uma demonstração sobre a utilização de cães para a deteção de veneno. A ação foi um pré-requisito para a criação de unidades caninas anti-veneno (Ação C6), que operará no território provincial.

AÇÃO A9 - Formação sobre avaliação de prejuízos e competências comportamentais, em Portugal

A Ação A9, desenvolvida pelo Grupo Lobo, incluiu a realização de um curso de formação destinado aos técnicos responsáveis pela avaliação dos prejuízos de gado atribuídos ao lobo, no sentido de aprofundar o conhecimento sobre as técnicas (ex.: análise forense, incluindo genética) que contribuem para identificar o predador responsável.

A correta avaliação dos prejuízos é fundamental para compreender, estimar e avaliar o impacto real do lobo na produção pecuária.

A formação decorreu no dia 12 de Março, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, em Vila Real, sendo composta por uma parte teórica e outra prática, esta ministrada pelo Dr. Simone Angelucci (Itália). Participaram 39 Vigilantes e técnicos das Áreas Protegidas e 5 médicos veterinários.

Em Abril realizou-se no Sabugal uma nova formação sobre competências comportamentais e gestão de conflitos, ministrada pelo Dr. Cláudio Pina Fernandes (Gabinete Psico-Pedagógico, FCUL), com a presença de 12 Vigilantes de 5 Áreas Protegidas.

AÇÃO A10 - Formação sobre avaliação de prejuízos e competências comportamentais, em Itália

A ação, coordenada pela Província de Grosseto, teve como objetivo a formação de pessoal local, em particular de veterinários, que podem ser envolvidos na verificação de prejuízos causados por canídeos nos animais domésticos.
O curso de formação foi dividido em dois dias, durante os quais foram abordados diferentes aspetos relacionados com a predação de gado doméstico por grandes carnívoros, relacionados quer com o exame das carcaças (ex.: diagnóstico, ferimentos causados pelo predador e a identificação do predador, casos de fraude), e do contexto social e legal em que os prejuízos ocorrem (avaliação da legislação local sobre compensação, avaliação do estado de proteção do gado, avaliação da atitude dos criadores em relação ao predador).

Em baixo pode consultar as apresentações feitas durante o curso:

Angelucci 1: http://issuu.com/festambientegr/docs/a10_-_presentazione_angelucci_1_ele

Angelucci 2: http://issuu.com/festambientegr/docs/a10_-_presentazione_angelucci_2_eco

Mangos: http://issuu.com/festambientegr/docs/a10_-_presentazione_manghi_biologia

Willy Reggioni: http://issuu.com/festambientegr/docs/a10_-_presentazione_willy_reggioni

Entre 2014 e 2015, os veterinários selecionados pelo projeto realizaram 140 vistorias em explorações que sofreram prejuízos causados por predadores.

AÇÃO A11 - Estudo prévio sobre o nível de conhecimento e as atitudes para com o lobo em Portugal

A Ação A11, desenvolvida pelo Grupo Lobo, pretende avaliar o nível de conhecimentos e a opinião das comunidades locais sobre o lobo, e em particular de alguns grupos de interesse.

Esta informação é fundamental para delinear a estratégia de comunicação do Projeto. A ação começou em Janeiro de 2013 e consistiu na realização de entrevistas pessoais estruturadas, tendo por base um questionário de escolha múltipla, previamente elaborado. Abrangeu o público em geral, os estudantes do ensino secundário e outros grupos de interesse.

Foram realizadas 359 entrevistas: 150 ao público geral, 20 a jornalistas, 52 a caçadores, 75 a agentes da autoridade e 62 a criadores de gado. As informações recolhidas foram analisadas e o respectivo relatório estará disponível na página de Internet do Projeto.

AÇÃO A12 - Estudo prévio sobre o nível de conhecimento e as atitudes para com o lobo em Itália

A ação incluiu a realização de reuniões diretas com os croadores de gado, em vez das entrevistas inicialmente previstas. Essas reuniões foram uma oportunidade para comparar diferentes pontos de vista: os criadores de gado, em particular, puderam sentir-se parte de um Projeto comum, com o objetivo de elaborar propostas concretas a serem apresentadas à província de Grosseto.

O território foi dividido em 4 regiões, tendo os criadores de gado em cada uma dessas regiões sido convidados para uma reunião, organizada com a indispensável colaboração das respetivas associações.

A ação foi dividida em duas fases: a primeira foi dedicada a ouvir os problemas dos criadores de gado decorrentes da presença dos predadores e a segunda fase foi a discussão das propostas dos criadores, apresentadas na primeira série de reuniões, pela equipa técnica e política da Província. Participaram nestas reuniões o Assessor Agrícola da Província de Grosseto e o responsável pelo Serviço de Desenvolvimento Rural, Dr. Duccio Berzi, que colabora há vários anos com a Província de Grosseto para implementar instrumentos para a prevenção de prejuízos no gado.

A realizada desta ação foi uma oportunidade para considerar diferentes pontos de vista e para desencadear um debate direto entre a comunidade rural e a administração provincial.

Após as reuniões, foi organizada uma reunião final com a participação de todos os parceiros do projeto, com o objetivo de utilizar os resultados obtidos nas duas fases em ações futuras, especialmente as de comunicação.
Pode fazer o download dos documentos da A12 em baixo:

Relatório Final Ação 12

application/pdf Final Report Action A12.pdf (1.8 MiB)
AÇÃO C1 - Seleção dos beneficiários e entrega de cães de gado em Portugal

Depois de estabelecidos os critérios de seleção de beneficiários, quatro criadores de gado foram selecionados e posteriormente entrevistados.

Foi assinado o Protocolo de Colaboração com o primeiro criador de gado que recebeu um cachorro da raça Cão da Serra da Estrela, integrado num rebanho de ovelhas no Sabugal, no dia 7 de Fevereiro de 2014.

Um mês depois foi realizada a primeira visita de monitorização e foram entrevistados outros dois criadores de gado, prosseguindo a seleção de beneficiários. Foi ainda selecionada a segunda ninhada de cachorros da mesma raça, de onde virão os próximos cachorros a entregar.

No mês seguinte, foram entrevistados mais dois agricultores e realizada a monitorização mensal do primeiro cachorro, que participou ainda na Exposição Canina Nacional do Fundão, tendo ficado classificado em 2.º lugar no seu grupo.

AÇÃO C2 - Seleção dos beneficiários e entrega de cães de gado em Itália

Com base nos dados recolhidos e nas entrevistas realizadas, foram estabelecidos critérios de seleção para a entrega dos cães de gado aos beneficiários, na área de Maremma. No total, foram distribuídos 35 cachorros da raça Maremma-Abruzzo às explorações de gado.
Graças ao estabelecimento da associação DifesAttiva, foi possível implementar um programa de monitorização com colares GPS (atualmente 13 cães e 6 ovelhas em 5 explorações).

AÇÃO C3 - Instalação de vedações para proteção do gado em Portugal

Esta ação foi antecipada, relativamente ao que estava calendarizado, com o objetivo de resolver uma situação urgente e permitir a proteção de uma exploração de avestruzes, no concelho de Almeida, que registava ataques frequentes de lobo.

Uma vez definidas as características da vedação, foi estabelecido um Protocolo de Colaboração com o proprietário, e deu-se início à construção da vedação. A vedação ficou terminada em Outubro de 2013, e desde então não se têm registado mais prejuízos.

A seleção preliminar de beneficiários para atribuição de vedações teve início em Novembro de 2013 e em Março de 2014 foram contactados mais dois criadores de gado.

AÇÃO C4 - Instalação de vedações para proteção do gado em Itália

O projeto possibilitou a atribuição de 69 cercas metálicas.

As cercas estão sujeitas a inspeções periódicas para avaliação da sua eficácia.

Para obter mais informações, consulte o documento abaixo (em italiano).

AÇÃO C5 - Controlo de envenenamento ilegal e de atividades furtivas em Portugal

Foram efetuados contactos com um treinador de cães anti-veneno e estabelecida uma proposta de colaboração, por forma a efetuar ações de controlo de iscos e carcaças envenenadas na área do Projeto, em colaboração com o Projeto LIFE Inovação contra o uso de venenos, desenvolvido pela Quercus no Distrito de Castelo Branco.

Esta colaboração, resultou na realização, durante duas semanas em Abril de 2014, de ações de prospeção do uso de venenos, pelo especialista espanhol em cães anti-veneno, Jesus Valladolid (Perros contra el Veneno), em zonas consideradas mais críticas na área do Projeto.

Em Outubro de 2013, técnicos do Grupo Lobo e da ALDEIA participaram no curso de formação sobre o controlo do uso ilegal de veneno, que decorreu na Andaluzia, organizado pelo Projeto LIFE Antidoto.

A ALDEIA desenvolveu diversas ações de sensibilização, com alunos e professores do ensino secundário, sobre o impacto do abate ilegal de fauna silvestre (principalmente lobos e aves de rapina).

Em Março de 2014 foi organizada uma palestra dirigida a 60 alunos de Medicina Veterinária da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro sobre o Projeto MedWolf e aspetos toxicológicos. Foi organizada uma palestra dirigida a 50 alunos de Medicina Veterinária da Universidade de Lisboa, focando a reabilitação de fauna selvagem após envenenamento, para além da apresentação do Projeto MedWolf.

Ainda em Março teve lugar uma reunião com os representantes do Departamento de Toxicologia Veterinária para avaliar a sua disponibilidade para analisar as carcaças envenenadas encontradas durante o Projeto. Foi ainda realizada uma reunião com representantes do SEPNA-Pinhel para discutir a intervenção na área do Projeto e a utilização dos kits anti-veneno. Deu-se início à definição da lista de material a incluir no kit anti-veneno a distribuir pelos agentes do SEPNA-GNR.

Em Abril teve lugar uma reunião com veterinários do Departamento de Toxicologia da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Lisboa, para avaliar a sua disponibilidade para realização de análises toxicológicas.

Deu-se início à criação de uma base de dados para a elaboração num SIG de um modelo que represente graficamente os casos de intoxicação por veneno de fauna silvestre. Até ao momento estão registados 342 casos.

AÇÃO C6 - Controlo de envenenamento ilegal e de atividades furtivas em Itália

A ação foi desenvolvida através do envolvimento de outros projetos e instituições com objetivos semelhantes: os contatos com LIFE ANTIDOTO e o Corpo de Guardas Florestais - que aderiram formalmente ao projeto - foram aprovados. Após a seleção e formação da equipa e da compra de cães, foram formadas algumas unidades de caninas anti-veneno e que se encontram ativas na área de estudo.

Para obter mais informações, consulte o documento abaixo (em italiano). 

AÇÃO D2 - Avaliação da eficácia das estruturas de prevenção de prejuízos e dos cães de gado em Itália

Em abril de 2015, a província de Grosseto, Coldiretti Grosseto e IEA reuniram para fazer uma planificação do projeto, que levou à elaboração de um plano de atividades.

AÇÃO D3 - Avaliação de áreas de expansão da presença de lobo em Portugal
AÇÃO D7 - Avaliação do impacto socioeconómico do projeto

A ação tem como objetivo mensurar o impacto socioeconómico do projeto e a influência no ecossistema na área do mesmo. Por esta razão, foram selecionados um conjunto de indicadores (sociais, económicos e ecológicos) que serão medidos durante o decurso do projeto.

AÇÃO E1 - Website do Projeto

A página de Internet foi criada e colocada online em março de 2013, com versões em Italiano, Português e Inglês. A página é frequentemente atualizada com notícias (geralmente também são colocadas notícias na página de Facebook), novos materiais e possui uma secção para descarregar documentos.

AÇÃO E2 - Campanha de comunicação sobre a mitigação dos conflitos em Portugal

Foi estabelecida a estratégia de comunicação, com um especialista em comunicação, e iniciada a realização das atividades definidas no plano de comunicação: envio de comunicados de imprensa; contactos com rádios e jornais locais; realização de seminários sobre os métodos de proteção do gado com estudantes e distribuição de informação.

Foi criada uma rede nacional entre investigadores, técnicos, ONGs e entidades responsáveis pela gestão do lobo, para a difusão de informações sobre lobo publicada nos órgãos de comunicação social.

Foram iniciadas reuniões nas escolas na área de atuação do MedWolf para promover o Wolf-Kit – Pacote Pedagógico sobre o lobo. Duas escolas de Pinhel e Sabugal responderam positivamente à proposta e iniciaram a utilização do Kit.

Foram iniciados contactos com associações locais, nomeadamente de criadores de gado, para avaliar a possibilidade de colaboração com o Projeto MedWolf.

Em Abril de 2014 foram publicados dois artigos, o primeiro no jornal local "Terras da Beira" (Guarda), e outro, sobre o uso de cães de gado, com menção ao Projeto MedWolf, no semanário nacional SOL.

Foi escrito um artigo sobre o Projeto MedWolf e a problemática da conservação do lobo, para publicação nos Boletins Municipais de Figueira de Castelo Rodrigo, Pinhel e Idanha-a-Nova. Os concelhos de Penamacor, Sabugal e Guarda foram contactados para publicar esse artigo nos meios de informação municipais.

O Projeto foi ainda citado durante uma entrevista sobre o lobo, ao coordenador nacional do Projecto, por uma rádio universitária – Rádio Zero (Lisboa) – e durante uma aula dirigida a alunos de quatro turmas de uma escola secundária do Sabugal – 72 desses alunos preencheram um questionário sobre o seu conhecimento e opinião sobre o lobo.

AÇÃO E3 - Campanha de comunicação sobre a mitigação de conflitos em Itália

Depois de estabelecido o grupo de trabalho de comunicação - que se reúne regularmente - a ação tinha previsto a edição de (ver secção "Documentos" do site):

- Brochuras sobre métodos de prevenção (abril de 2014)
- 10 cópias da exposição Large Carnivore Initiative for Europe (LCIE) pelo WWF (setembro de 2014)
- Folheto LCIE (outubro de 2014)
- Wolf kit júnior para crianças entre os 7 e os 12 anos (novembro de 2014)
- Pen USB com material do wolf kit para o ensino básico e secundário (janeiro de 2015)
- 1 painel da exposição LCIE reimpresso (abril de 2015)
- Brochuras sobre veneno, folhetos e gadgets sobre métodos de prevenção (julho de 2015)
- 600 t-shirts de criança entregues durante o evento "A Cidade do Meninos e das Meninas" (agosto de 2015).

Para mais informações, faça o download do relatório da ação (em italiano).

AÇÃO E4 - Colaboração com projetos LIFE e outros

De Abril a Novembro de 2013, o Projeto MedWolf foi apresentado em diferentes iniciativas desenvolvidas no âmbito da Large Carnivore Initiative for Europe (Iniciativa dos Grandes Carnívoros para a Europa, LCIE), do Congresso Internacional do lobo e outros projetos LIFE, como o LIFE SloWolf (Eslovénia), LIFE Inovação contra o Uso de Veneno (Portugal), e LIFE Antidoto e LIFE IbriWolf (Itália).

Para mais informações, faça o download do relatório da ação (em italiano).

AÇÃO E6: Sessões de trabalho sobre boas práticas para a gestão do lobo ao nível populacional

Com o objetivo de transmitir às autoridades locais mais informação sobre a gestão do lobo, foram organizadas, em Fevereiro e Março de 2014, sete reuniões com os representantes municipais dos sete concelhos incluídos na área do Projeto: Figueira de Castelo Rodrigo, Almeida, Pinhel, Sabugal, Guarda, Penamacor e Idanha-a-Nova.

AÇÃO E8 - Grupo de trabalho internacional sobre prevenção de prejuízos e grupo de trabalho transfronteiriço sobre avaliação da presença e abundância do lobo

Foi criado o grupo de trabalho sobre prevenção de prejuízos, que inclui a participação dos coordenadores nacionais e de 28 investigadores de 12 países.

Em Março de 2014 foi publicado o primeiro número da nova edição da Carnivore Damage Prevention News, disponibilizado na página de Internet do Projeto, em Abril. Cópias digitais foram enviadas aos autores, editores e coordenadores, e distribuídas aos elementos dos grupos de trabalhos e outros investigadores, técnicos e gestores envolvidos na conservação dos grandes carnívoros.

AÇÃO F1 - Coordenação e gestão

A gestão adequada do projeto não é possível sem uma coordenação eficaz. Por esta razão, foi criado um grupo de coordenação, desde o início do projeto, que se reúne regularmente.

Faça o download do documento abaixo para mais informações sobre as reuniões (em italiano).

AÇÃO F2 - Monitorização do desenvolvimento do Projeto e avaliação dos resultados

A ação tem como objetivo avaliar a eficácia e o progresso do projeto. Para tal, foram realizadas várias reuniões de coordenação com supervisão científica e foi criado o SAB (Comité de Avaliação Científica), para acompanhar o progresso das ações do projeto e a sua eficácia relativamente aos resultados esperados.

Faça o download do documento abaixo para mais informações sobre as atividades realizadas (em italiano).